Coacyaba – O Primeiro Beija Flor

Posted by on agosto 25, 2017 in Artigos, Blog, Coacyaba | 0 comments

Coacyaba – O Primeiro Beija Flor

Coacyaba – O primeiro Beija-flor

 

Os índios do Amazonas acreditam que todas almas dos mortos transformam-se em lindas borboletas. E assim por esse motivo que elas voam de flor em flor nas flores, alimentando-se e com isso fortalecendo-se de energia e o mais puro néctar, para terem força e suportarem a intensa e longa viagem até o céu.

 

coacyaba

 

Coacyaba, uma linda e bondosa índia, que ficara viúva muito cedo, assim passando a viver somente e exclusivamente para fazer a felicidade de sua filhinha Guanamby. Todos os dias passeava com a menina pelas Campinas de flores, entre pássaros e borboletas. Dessa forma pretendia aliviar a falta que o esposo lhe fazia. Mesmo assim, angustiada, acabou por falecer.

 

coacyaba o primeiro beija flor

 

Guanamby ficou só e seu único consolo era visitar o túmulo da mãe, implorando que esta também a levasse para o céu. De tanta tristeza e solidão, a criança foi enfraquecendo cada vez mais e também morreu. Entretanto, sua alma não se tornou borboleta, ficando aprisionada dentro de uma flor próxima à sepultura da mãe, para assim permanecer ao seu lado.

 

 

Enquanto isso, Coacyaba, em forma de borboleta, voava entre as flores, colhendo seu néctar. Ao aproximar-se da flor onde estava Guanamby, ouviu um choro triste, que logo reconheceu. Mas, como frágil borboleta, não teria forças para libertar a filhinha. Pediu, então, ao Deus Tupã que fizesse dela um pássaro veloz e ágil, que pudesse levar a filhas para o céu. Tupã atendeu ao seu pedido, transformando-a num beija-flor, podendo, assim, realizar o seu desejo.

 

 

Desde então, quando morre uma criança índia órfã de mãe, sua alma permanece guardada dentro de uma flor, esperando que a mãe, em forma de beija-flor, venha buscá-la, para juntas voarem para o céu, onde estarão eternamente. Conheça o Curso Carol me ensina

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *